Contrariamente ao que a grande maioria das empresas julga o email marketing não morreu…

A verdade é que o email continua a ser uma excelente ferramenta para se comunicar com o seu potencial cliente.

O maior problema desta forma de comunicação, passa essencialmente por um erro muito cometido pelas empresas. E que erro é esse?

Resumidamente é comprarem bases de dados para dar seguimento às suas campanhas. Contudo, com a implementação do RGPD (Regulamento Geral da Proteção de Dados) isto deveria ser impensável.

Mas, infelizmente não é, e muitas empresas continuam a fazê-lo.

Assim, para ajudar quem não sabe ao certo como construir a sua base de dados para email marketing, deixamos-lhe 4 dicas de seguida.

Email marketing: 4 dicas simples para criar uma base de dados que converte

É importante ter em conta que criar uma lista de emails não é uma tarefa nem simples nem rápida. E, é por isso é que muitas empresas utilizam ainda bases de dados compradas ou emails que tiram da internet.

Contudo, se quer efetivamente ter sucesso com esta estratégia de marketing digital, siga as nossas dicas.

1 – Definir o seu público alvo

Tenha em mente que o email marketing é uma poderosa ferramenta de comunicação.

No entanto, se não souber quem é efetivamente o seu público-alvo, vai ser muito complicado obter qualquer tipo de retorno.

Pense a quem é que os seus emails devem chegar: o seu público-alvo são mães? São homens com mais de 45 anos? São gestores ou gerentes de empresas? Têm um animal de estimação?

Conhecer de forma detalhada o seu potencial cliente vai levar a que encontre respostas que são essenciais.

Acredite que só com essas respostas irá conseguir definir e criar uma boa base de dados para desenvolver as suas campanhas de email.

2 – Definir os objetivos

Para que é que precisa de uma base de dados? Ok, é para fazer email marketing. Mas qual é o objetivo de o fazer?

As respostas variam de acordo com a sua tipologia de negócio. Por isso é que é importante definir objetivos antes de tentar recolher emails de pessoas que não têm o mínimo interesse relativamente ao produto ou serviço que vende.

Clarificar objetivos é importante, pois cada um deles irá ter uma forma distinta de angariar, qualificar e trabalhar a sua base de dados.

3 – Escolher uma boa ferramenta para envio de emails

Quantas vezes pensou na ferramenta que ia usar para enviar as suas campanhas de email marketing?

Muitas empresas acham que é dispensável nesta fase (até porque ainda não tem emails para enviar)! Saiba de antemão que isso é um engano.

Escolher a ferramenta para envio dos emails é efetivamente o primeiro passo prático para uma boa campanha de email.

Existem diversas opções, nomeadamente: Mailchimp, e-goi, AWeber, HubSpot…

Enfim, a escolha vai variar essencialmente pelo preço que quer gastar e pelas funcionalidades mais avançadas.

Numa fase inicial, o Mailchimp pode ser efetivamente uma excelente alternativa gratuita.

4 – Começar a captar emails

Vamos ser realistas. Criar uma base de dados é quase como ir à pesca.

Imagine que já definiu o tipo de cliente que procura: como o seu produto são rações para animais, o seu público-alvo vão ser todos os donos de animais.

No mundo virtual, o seu público alvo vai ao Google procurar informações de produtos para animais. Além disso, andam nas redes sociais, em grupos específicos e ainda em fóruns.

Muitos deles podem até já ter estado no seu site, eventualmente, e já ter uma noção sobre a sua marca.

Desta forma, para começar a criar a sua base de dados, terá de colocar o seu negócio nesses locais. Claro que para isso deve sempre começar pelos mais simples e que estão sobre o seu controlo: o site e o blog.

Acredite que um dos erros mais frequentes dos empresários passa por não ter um formulário de contacto diretamente no site. Acredite que pode estar a perder milhares de leads todos os anos só por não ter um mecanismo de captação de emails.

Além disso, para cativar o visitante a preencher esse formulário, deve dar-lhe algo em troca.

Pode ser por exemplo um vídeo sobre cuidados a ter com a alimentação animal, ou um artigo mais completo sobre os cuidados a ter com um animal mais velho…

Dicas extra para uma boa campanha de email marketing

Agora que já sabe 4 dicas para criar a sua base de dados, deixamos-lhe apenas algumas dicas extra para criar uma campanha de email que não vá parar à caixa de spam do seu cliente.

1 – Envie e-mails apenas a quem lhe deu autorização. Com a implementação do RGPD pode ter multas pesadas por enviar emails sem ter a autorização expressa do consumidor.

Tenha em mente que se muitos dos emails que envia forem para a caixa de spam ou para o lixo, isso irá arruinar a sua reputação.

Utilize sempre a opção de double opt-in para garantir que quem está a receber o email tem efetivamente interesse em recebê-lo.

2 – Informe com que frequência estima enviar o seu e-mail. Isso serve essencialmente para não saturar o consumidor – um consumidor saturado irá cancelar a subscrição da sua base de dados.

3 – Escreva e-mails interessantes para a sua audiência, já que isso vai provocar cada vez mais curiosidade e vai aumentar a interação do seu público.

4 – Nunca publique conteúdo de spam. É péssimo para a sua reputação e aumenta consideravelmente o número de cancelamentos de subscrições.

Faça o teste do SpamAssassin.

5 – Tenha em atenção a relação texto vs. imagens. Um e-mail deve ser de texto. A grande maioria dos servidores não mostram sequer as imagens antes de clicar em “mostrar imagens”.

6 – Tenha em todos os seus emails a opção de cancelamento da subscrição. Se um consumidor quer cancelar uma subscrição deve ser livre do o fazer.

Além disso, alguém que esteja a efetuar esse cancelamento, certamente não quer adquirir nenhum produto seu, por isso é inútil continuar a enviar-lhe emails.

Agora já sabe como criar uma base de dados para email marketing. Invista sabiamente neste recurso, pois o mesmo pode trazer-lhe agradáveis surpresas.