Quem tem um site, devia ter com toda a certeza configurado o Google Analytics. Se não tem, saiba desde já que está a cometer um erro!

Mas, infelizmente, muitos empresários (principalmente quando falamos de PME) não têm esta configuração feita! Pior: não sabem para que serve esta ferramenta (gratuita).

De forma simples e muito prática, o Google Analytics permite-lhe perceber como é que o seu site está a funcionar. E como é que o faz? É simples! Fornece-lhe dados que lhe permitem entender melhor o desempenho do mesmo.

De seguida explicamos-lhe melhor porque é que tem obrigatoriamente de utilizar esta ferramenta no seu negócio.

Google Analytics: Conceitos base que precisa perceber

Resultados Analytics

Embora o Google Analytics seja uma plataforma bastante intuitiva, existem alguns conceitos que precisa dominar se quiser fazer uma correta análise e interpretação dos dados.

De forma a começar a dominar esta ferramenta, os conceitos seguintes são para nós os mais relevantes. Conheça-os:

  • Sessões – Todos os dados de utilização (acessos, páginas visitadas…) estão agregados a uma sessão. Cada sessão conta com um período temporal em que um utilizador está a interagir ativamente com o site. Por norma cada sessão é encerrada ao final de 30 minutos de inatividade.
  • Utilizadores – Número de pessoas que interagiram com o site num determinado período temporal. É possível fazer a distinção entre novos utilizadores (pessoas que acedem ao site pela 1ª vez) e utilizadores frequentes.
  • Visualizações de páginas – É o número total de páginas visualizadas em todas as sessões.
  • Páginas/Sessão – Informa a média de páginas que são visualizadas em cada sessão.
  • Taxa de Rejeição – É a taxa que expressa a percentagem de pessoas que abandona o site após visualizar uma única página.
  • Tráfego Direto – Deriva de uma sessão em que o utilizador escreveu, por exemplo, o link do site no URL no navegador ou acedeu ao site através de qualquer outro marcador.
  • Tráfego Orgânico – É o tráfego realizado através de pesquisas não pagas num motor de pesquisa (Google, Yahoo, Bing…). Devido à alteração nas definições de privacidade do Google na maioria das vezes não é possível saber a sua origem. Mas poderá ver através da Search Console quais os termos utilizados.
  • Tráfego Referral – Designa o tráfego que é gerado de outros sites através de links de referência.
  • Tráfego Social – É todo o tráfego que é gerado através de uma rede social (Facebook, LinkedIn, Pinterest, Twitter…)
  • Tráfego Pago – É todo o tráfego que é gerado por campanhas de publicidade paga – como é o caso do Google Ads.

Google Analytics – Um aliado indispensável para o seu negócio

Saber como alavancar um negócio pode ser algo complicado! Contudo, com uma ajuda correta, tudo se torna mais simples.

Assim, o Google Analytics pode ser a ajuda que precisa, para perceber como melhorar o funcionamento do seu negócio. De seguida damos-lhe algumas explicações mais detalhadas.

1 – No que consiste a análise web e que informações fornece?

De forma simplificada, podemos dizer que a análise da Web é uma agregação de dados sobre seus visitantes! Os mesmos incluem (mas não só) os dados demográficos, comportamentos e desejos.

Basicamente, é uma metodologia que utiliza dados reais para garantir que o seu site está a funcionar corretamente e que os visitantes do mesmo estão efetivamente a fazer o que pretende.

Lembre-se que a análise de dados é o “petróleo” dos dias modernos. E porque é que isso acontece? Porque os dados têm um valor incalculável se forem bem interpretados (e se forem recolhidos de acordo com as boas práticas da proteção de dados).

2 – Porque é que esses dados são tão valiosos para as empresas?

Quando falamos por exemplo de um e-commerce, estes dados são imprescindíveis para analisar o que é que o consumidor adiciona ao carrinho de compras, como é que chegou ao produto, se desistiu a meio da compra…

Para empresas de serviços é possível utilizar os dados para estudar por exemplo, o efeito de diferentes argumentos de venda.

Ao analisar os dados é possível perceber quais são as páginas que fazem com que as pessoas que têm um melhor desempenho. Ou seja, as que mais convertem.

3 – Quais são as principais métricas que devem ser analisadas no Google Analytics?

Na verdade, existem centenas de métricas que pode ter em conta, e que vão depender do tipo de negócio que tem.

Contudo, para quem se está a iniciar, as duas principais são: a taxa de rejeição e a taxa de conversão.

A taxa de rejeição é definida como uma visita de uma página que abandona o site sem carregar em mais nenhuma página ou informação. Por norma, uma alta taxa de rejeição é um mau indicador.

Quanto à taxa de conversão, certifique-se de que os objetivos estão configurados na sua conta do Google Analytics e, analise as mesmas com regularidade.

Tenha em mente que as taxas de conversão não são iguais para todos os negócios.

Por exemplo para um e-commerce o objetivo é fazer a venda, e para um jornal online pode ser a subscrição de uma newsletter.

Como vê, a utilização do Google Analytics para empresas, poderá ser o que falta para conseguir tornar o seu negócio online ainda mais rentável.